Comunidade Servos de Maria do Coração de Jesus

Comunidade Servos de Maria do Coração de Jesus

Histórico

Histórico

A Comunidade Servos de Maria do Coração de Jesus foi fundada pelos senhores Ana Rita Otaviano Tavares de Melo e José Tavares de Melo chamados por todos de Mãezinha e Paizinho. Ambos são oriundos de famílias católicas de firmes princípios morais e religiosos.

A sua história de amor, preparação remota da obra da Comunidade Servos de Maria do Coração de Jesus, começou desde que se conheceram em 1954 quando José tinha nove (09) anos e Ana Rita seis (06).

Em 1967 casaram e tiveram uma filha e três filhos homens. Dedicaram-se assiduamente e com sucesso às suas atividades empresariais sem com isso descuidar a educação dos filhos e sem se fechar às necessidades dos mais pobres. Em 1984 a família aumentou de repente com a adoção de 7 crianças órfãs de pai e com a mãe doente de câncer que veio falecer dois anos depois.

Aos 7 de Janeiro de 1972 morre Paulinho irmão de Mãezinha deixando uma profunda ferida no seu coração.

O seqüestro e sucessiva liberação de dona Nêda, mãe de Mãezinha, ocorrido em fevereiro de 1989 foi a preparação imediata para o chamado de Deus, pois fez os nossos Fundadores se desapegarem completamente dos bens materiais.

Em 4 de fevereiro de 1995 Mãezinha, entrando no quarto onde estava hospedada junto a um convento jesuíta em ocasião de um evento de espiritualidade, ouviu distintamente e externamente uma voz feminina muito suave que lhe disse compassadamente as seguintes palavras: "Filha, terás uma grande missão de cuidar dos doentes". Ela reconheceu logo que se tratava da Mãe de Jesus, a Virgem Maria. Este foi o chamado de Deus a desapegar-se também de todos os seus planos e suas atividades empresariais e a passar por cima dos seus temores e de todas as suas vontades e marcou o início de uma profunda vida de oração.

Tendo recebido a confirmação do chamado através de um sinal acontecido no dia seguinte, acompanhada espiritualmente pelo seu primeiro diretor Pe. José Abner de Andrade e por Dom Marcelo Pinto Carvalheira, então Arcebispo da Paraíba, iniciou a visitar diariamente os doentes nos hospitais, em seguida os doentes "espirituais" no presídio do Roger de João Pessoa e, por fim, tomando a sério as instruções missionárias de Jesus aos doze apóstolos contidas em Mt 10, juntamente com Paizinho, as cidades da Paraíba, formando grupos de oração do terço e de missão com as pessoas do lugar.

Quanto mais os nossos fundadores se dedicavam à obra de evangelização, tanto mais se sentiam pressionados pelo amor de Cristo (cf. 2Cor 5,14), que outrora vendo as multidões ficou tomado de compaixão porque estavam enfraquecidas e abatidas como ovelhas sem pastor e disse: "Tenho piedade desta multidão!" (cf. Mt 15,32b; 9,36). Constataram com profunda dor a causa de tantos males nas famílias, o esfriamento da fé, os sacrilégios perpetrados contra a Santíssima Eucaristia, especialmente comunhões mal feitas, abandono da Igreja para seitas, superstição, imoralidade desenfreada, infidelidade aos compromissos, inconstância no bem, grande fragilidade frente às propostas de agressões do mundo, a falta oração, Pão, Palavra sã e doutrina, pois "o homem não vive apenas do que é material, mas de tudo aquilo que sai da boca do Senhor" (Dt 8,3b). Desde o começo de sua atividade missionária, os fundadores foram sempre acolhidos e sustentados carinhosamente pelo Pe. Severino Alencar Leite, vigário paroquial da cidade de Condado, interior da Paraíba, que seria mais tarde co-fundador da obra.

Em 21 de setembro de 1997, dia do apóstolo São Mateus, estando em um santuário mariano, os nossos Fundadores conheceram os futuros Co-fundadores da comunidade: Pe. Lorenzo D'Andrea e Ir. Bettina Knapp. Foi naquele mesmo lugar, durante um momento de oração que Mãezinha sentiu o pedido do Senhor de fundar uma comunidade missionária e contemplativa. Em outubro de 1999 iniciou a primeira experiência de vida comunitária de alguns missionários. Iniciou-se logo a organizar encontros de evangelização e retiros de uma semana na Granja Paraíso onde Ana Rita e José pela sua dedicação começaram a ser chamados carinhosamente por muitos de "Mãezinha" e "Paizinho".

Em 21 de março de 2000 a Comunidade foi aprovada oficialmente pelo Arcebispo Dom Marcelo Pinto Carvalheira. Em 13 de Outubro de 2001 iniciou o Ramo Contemplativo feminino. Em Janeiro 2003 foram consagrados os primeiros irmãos(ãs) missionários(as) celibatários(as). Em 11 de fevereiro de 2009 foi inaugurado o Ramo Contemplativo masculino.

Facebook

Instagram

Twitter